martes, 16 de febrero de 2010

HERBÁRIO FITOTERÁPICO

“Viveiro da espiritualidade”

No meio da capital do Brasil se encontra a Terra Indígena “Santuário Sagrado dos Pajés”, reserva do bioma do cerrado e da cultura indígena, onde se mantem por muito tempo a tradição ancestral dos pajés: o conhecimento dos poderes terapêuticos das plantas medicinais.

A medicina da terra vem por séculos acompanhando nossos anciãos, que ensinam a reconexão com a energia vital da criação, o que permite encontrar a saúde como um estado de felicidade, plenitude, vigor e alegria espiritual.

O herbário dos Pajés, o primeiro complexo espiritual e tribal do Brasil fundado na Ciência dos Pajés, é o esforço da valorização e recuperação da ciência ancestral, onde se procuram reunir as principais plantas e remédios utilizados pelas etnias indígenas do Brasil, isto com o fim de recuperar e manter o equilíbrio da saúde e a cura natural, a harmonia entre o corpo e o espírito que nos oferece a mãe terra.

O constante contato com as tribos de origem, como também as visitas regulares de indígenas em trânsito que atualiza as rotas de fugas, religiosas e de trocas que existiram por milênios no Planalto Central mantem vivo este complexo conhecimento, que envolve também a valorização das nossas tradições, idiomas, história, cantos, danças e cosmovisão, o que fortalece a transmissão da cultura indígena medicinal e espiritual das ervas.

Isto tem como conseqüência a conservação e proteção do cerrado, que possui uma considerável diversidade de espécies as quais preservamos através da recuperação do bioma pelo reflorestamento, cultivando mudas de remédios e alimentos silvestres como o barbatimão, sucupira, quina,pequi,jatobá, barú,cajuzinho do cerrado,araticum,araçá,ingá.etc.,e de espécies ameaçadas ou tombadas como aroeira, imbiriruçú,ipê,copaíba,etc.

Possuímos ademais um banco de sementes de espécies nativas da área assim como outras trocadas com diferentes pajés do Brasil.

Este trabalho se complementa com a espiritualidade do nosso Santuário Sagrado, onde realizamos rituais e cerimoniais em conjunto com outras autoridades espirituais dos nossos povos indígenas: pajés e xamãs da América, que conectam as vivências das pajelanças da comunidade Tapuya do Bananal com o dia a dia da tribo multiétnica.

Uma reserva da vida para as futuras gerações...

Deste ponto sagrado trabalhamos dia a dia na conservação da mãe terra, porque a conexão com ela é o sentido da nossa existência e fundamento da nossa espiritualidade, reconhecendo o equilíbrio com a natureza que traz o alimento, a saúde, a cultura, o conhecimento e a vida... este é o nosso saber transmitido de gerações em gerações.

Do cerrado Tapuya renasce nossa mensagem e resistência, a luta pela terra, nosso direito à vida e principalmente contra o direito à nossa terra ancestral...
O ecossistema do cerrado tem uma ampla diversidade e um alto número de espécies nativas, um dos biomas mais ameaçados no mundo e atualmente em Brasília...lutamos porque sabemos que dele depende o futuro dos nosso filhos, assim como da nossa cultura e da natureza.

O aqüífero Tapuya.

Aqui na capital sua relevância é maior ainda, não só do ponto de vista da sua diversidade, mas também como um reservatório natural subterrâneo das águas das nascentes do Parque Nacional de Brasília (Água Mineral) que abriga a represa responsável pela maior parte do abastecimento da cidade e dos afluentes da bacia do lago Paranoá.

A preservação da nossa cultura não é egoísta, nela a mãe terra é a nossa principal preocupação pois ela é a nossa raiz, sabemos que muitas gerações ainda virão no futuro, cuidamos das nossas tradições porque acreditamos na medicina da terra e no conhecimento que nossos ancestrais souberam compartilhar até chegar a nós.

Por isso convidamos vocês a optarem pela vida e a natureza, a escolher o futuro para as novas gerações, lutando pela terra, respeitando a nossa cultura e espiritualidade, reconectando-se com o conhecimento ancestral indígena e procurando a cura das plantas e da terra,desta forma ajudará também na cura do nosso planeta e do cerrado brasiliense...respeitando a vida e a natureza.

Remédios Fitoterápicos, Mudas de plantas medicinais do cerrado e cursos de Flora Indígena: Pajé SANTXIÊ TAPUYA.

"Flora Medicinal Povos Indígenas"
Telefone: (61) 3313-3623 / (61) 8123-9241
SRTVS-Bl. A, Ed.Lex-Zona Central CEP: 70340-904
(Fundação Nacional do Indio) Brasília.
E-mail: santuariodospajes@gmail.com